Eu quero comer seu pâncreas – Prólogo

Eu vou traduzir essa novel também, ela só tem dez capítulos mas é boazinha. Não se importem muito com esse título kkk.

Qualquer erro tanto na tradução como na ortografia deixem por favor nos comentários avisando.

Tradução feita por (Lenneth) – Esse capítulo foi traduzido do Pajama Days.

Visite nosso site que traduz mangás: OtakuBR – Mangás.


Prólogo

O funeral da minha colega de sala, Sakura Yamauchi, foi realizado em um dia nublado que não combinava com ela quando ela estava viva.

Como prova do valor de sua vida, muitos estavam cobertos por lágrimas durante seu enterro, assim como em seu funeral – eu não participei de nenhum dos dois. Eu fiquei em casa o tempo inteiro.

Felizmente, a única colega que teria me forçado a participar já tinha deixado esse mundo, e não era como se nossos professores ou seus pais tivessem o direito ou obrigação de requisitar minha presença, então era permitido eu ficar em casa por minha própria decisão.

Certamente, eu, um aluno do Ensino Médio, mesmo sem ser reconhecido por ninguém como tal, supostamente estaria assistindo aulas – mas por causa da morte dela no meio das férias escolares, eu fui capaz de evitar sair em um clima ruim.

Já que meus pais, que estavam trabalhando, deixaram comida para mim, eu permaneci enclausurado em meu próprio quarto. Que aquelas minhas ações eram devido ao vazio e a solidão de perder uma colega – dizer isso seria incorreto.

Ao menos que aquela colega me fizesse sair, eu sempre seria do tipo que desperdiça os dias livres no meu próprio quarto.

Dentro do meu quarto, eu seria frequentemente encontrado lendo livros. Além de guias e livros de autoajuda, eu amava ler romances. Eu leria meus livros de bolso enquanto rolava em cima da minha cama, descansando minha cabeça ou queixo em um travesseiro branco. Como livros de capa dura eram muito pesados, eu preferia livros de bolso.

O livro que eu atualmente estava lendo foi algo que eu peguei emprestado dela – a simples obra-prima que tinha sido encontrada pela garota que não lia livros. Sua posição na estante de livros não foi mexida desde que eu peguei emprestado. Embora eu tivesse planejado ler e devolver antes que ela morresse, era tarde demais para isso agora.

Já que nada podia ser feito quanto ao meu atraso, eu decidi a devolver o livro para sua casa depois que eu tivesse terminado ele. Enquanto eu cumprimentava seu retrato – seria um bom momento para devolvê-lo.

No momento que eu terminei de ler metade do livro, a noite tinha chegado. Enquanto usava a luz florescente filtrada através das cortinas fechadas para ver, eu notei quanto tempo tinha passado desde aquela única chamada de telefone recebida.

A ligação não era nada especial. Era da minha mãe.

Embora eu tivesse ignorado as duas primeiras ligações, eu percebi que elas eram mais prováveis a ser algo relacionado ao jantar, então eu coloquei o telefone no meu ouvido. O conteúdo da ligação era a respeito do cozido de arroz. Eu confirmei as instruções com ela e encerrei a chamada.

Assim que eu coloquei o telefone na minha mesa, subitamente percebi algo. Faziam dois dias desde que eu toquei pela última vez no meu telefone. E não acho que eu tenha evitado isso conscientemente. De uma maneira ou outra – embora eu não pudesse negar que possa ter algum tipo de significado nisso – eu simplesmente tinha esquecido de tocar no meu telefone.

Meu telefone, que tinha uma tampa – Eu o abri e olhei minha caixa de mensagens. Não havia uma simples mensagem não lida. Era apenas natural, completamente natural. Eu continuei a checar minhas mensagens enviadas. Lá, além da função de chamada, a maioria do meu recente uso do telefone podia ser visto.

Eu tinha enviado uma mensagem para ela, minha colega de sala.

Uma mensagem com apenas uma linha.

Eu não sei se ela tinha lido.

Embora eu estivesse prestes a sair do meu quarto para ir à cozinha, eu novamente retornei e me deitei de costas na cama. Eu estava refletindo no meu coração, sobre as palavras que eu tinha enviado a ela.

Eu não sabia se ela tinha visto elas.

“Eu quero comer seu pâncreas”

Se ela tivesse lido elas, como ela teria recebido a mensagem?

Enquanto pensava sobre isso, eu caí no sono.

No fim, o arroz foi cozido pela minha mãe quando ela voltou para casa.

Eu encontrei ela nos meus sonhos – talvez.

Anterior | Índice | Próximo

Anúncios

Uma resposta em “Eu quero comer seu pâncreas – Prólogo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s